Quer fazer algum comentário? Entre em contato: gggraciele@gmail.com

Um lugar para sonhar.

Arquivo pessoal - 2007.


Sonhei e fiquei sonhando acordada. Tão inocente deste mundo tão revoltado. A vida foi mostrando a sua verdadeira face. Quando criança era possível sonhar e imaginar. Em toda a minha vida eu sonhei uma vida repleta de encantos. Com o passar do tempo a vida se tornou amarga e sem brilho.

Hoje, já adulta, a magia de sonhar se tornou página virada. Como é triste viver sem sonhos. O mundo perdeu a noção de viver, a sua essência de amar. Quem ama, sonha. Quem vive das desilusões, perdeu as esperanças.

Hoje, o meu único desejo é ter um lugar para sonhar. Um refúgio que eu pudesse esquecer das amarguras da vida e esquecer de quem não pode acompanhar a mesma trajetória que a minha. Se eu voltasse a sonhar, talvez voltasse a amar. Talvez acreditasse que podemos amar e ser amados. Oh, vida sem sonhos!

Se meu amor estivesse ao meu lado, sei que estaríamos no lugar certo, à vida seria recheada de sonhos, alegrias e amor. Depois de tanto sofrer um dia declarei: “A vida não é bela. A vida é um constante caminho de espinhos”.

Tudo que eu queria neste momento era um lugar para sonhar. Sonhar que sou feliz! Sonhar que estou nos braços do meu amor. Sonhar que estou repousando num lugar tranquilo; respirando os aromas do campo, sentindo o ar puro da natureza e o frescor de uma cachoeira. Eu só queria um lugar para sonhar as coisas lindas e belas da vida. Onde eu pudesse ser eu mesma, que pudesse gargalhar sem limite, dançar, pular, brincar. Um lugar que eu pudesse ser uma menina serelepe.

Por fim, a idade adulta veio rapidamente e com ela à maturidade, a responsabilidade, as despesas, as preocupações, as obrigações. Eu queria apenas ter um lugar para sonhar. Um lugar que fosse capaz de me fazer acreditar que os sonhos são possíveis. Deixei de imaginar, de fantasiar, de desejar. Sou mais uma cidadã indignada pela corrupção, pela guerra; triste pelas vítimas que sofrem assaltos, roubos, mortes; se não bastasse temos ainda a fome, a falta de moradia, a falta da assistência básica (muitas vezes promessas feitas pelos nossos governantes).

Neste lugar que tanto desejo, quem sabe eu não encontre o meu amor que deixei perdido nesta vida.

Graciele Gessner.